Sexta Científica: Gramáticas do Masoquismo

Atividade Gratuita

Data: 23/11/2018 das 10h até 12h

Ministrante:  Sander Machado – Psicanalista, associado do CEPdePA. Coorganizador dos livros “Retorno do Homem dos Lobos” (Sulina 2018) e “Interlocuções na fronteira entre psicanálise e arte” (Artes & Ecos 2017)

Público: Estudantes e Profissionais

Realização: Instituto Horizontes

Local: Clínica Horizontes – José Gomes, 393, Tristeza, Porto Alegre/RS

Inscrições: email instituto@clinicahorizontes.com.br

 

Resenha sobre o Simpósio A Psicanálise Frente à Violência: do abuso sexual infantil ao feminicídio

Como coordenadora da mesa que abriu os trabalhos do Simpósio, que ocorreu em Outubro de 2018,  que tratou desse tema denso, que coloca profissionais da área da saúde e da jurídica para pensar juntas, sinto-me no dever de não deixar a discussão se encerrar por aqui.

O Instituto Horizontes convidou palestrantes e público a discutir, sem pudor, a violência, o abuso, as estatísticas, a teoria psicanalítica além do consultório. E o convite foi atendido pelos participantes que pautaram as dificuldades reais em trabalhar no âmbito da proteção às crianças, adolescentes e mulheres vítimas de violência.

Para entender as “possibilidades de avaliação e intervenção no abuso sexual infantil”, título da primeira mesa, é necessário entender conceitos, e é preciso compreender a realidade vivenciada por crianças e adolescentes que
sobrevivem, nas palavras da Psic. Elisabeth Mazeron Machado, sem voz.

Crianças que crescem aprendendo que a violência faz parte do mundo e que não tem espaço para denúncia. O abuso sexual infantil se apresenta de diversas maneiras, através do contato físico, da produção e divulgação de
imagens pornográficas, e da imposição de uma relação que a criança não tem capacidade para compreender. Os dados estatísticos alertam para uma realidade triste, estimando que uma em cada cinco meninas são vítimas de
abuso sexual, com os meninos, um em cada vinte sofrem dessa violência, sendo um número expressivo de crianças que não tem a chance de passar por uma infância digna e saudável.
Crianças e adolescentes têm seus direitos garantidos pela Constituição Federal, pelo estatuto da Criança e do Adolescente e a integração entre justiça e tratamento é fundamental para dar conta dessa questão que é de saúde
pública. Caberá à justiça proteger vítimas e punir agressores, e cabe aos agentes de saúde, incluindo psicoterapeutas e psicanalistas lidar com as sequelas, com as dificuldades familiares, com a possibilidade de reduzir os
danos causados. Há que se pensar na qualificação de profissionais que avaliarão os danos primários e secundários e receberão a vítima fragilizada, exposta e que necessita de todo cuidado psíquico no momento de identificação
do crime, ao passar pelo processo jurídico, imprescindível para o combate da violência.

Outra questão importante, diz respeito à saúde mental daqueles que atacam a infância e a adolescência, agressores que podem ou não estar diretamente envolvidos ao uso de drogas, possíveis portadores de transtornos mentais,
entre outras causas que levam ao cometimento desses crimes. Conforme dados trazidos pela Dra. Patrícia Goldfeld os peritos forenses entendem que esses delitos são graves, muito agressivos, que há agravante de risco social e que as medidas de segurança devem ser impostas de acordo com a lei.

Assim, nas palavras da Psic. Tatiana Giron Cardon, Infância é tempo de inocência, e sendo identificada a violência contra crianças e adolescentes, cabe oferecer suporte, acolhida, escuta cuidadosa, preparar a vítima para os
exames físicos, para a profilaxia e dar os encaminhamentos iniciais para então, cuidar.

O alerta contra a negligência, contra os que nada fazem e fecham os olhos para esta triste realidade foi o que ficou desse forte debate que deu inicio a esse evento que marca a preocupação com o que acontece para além das salas de psicoterapia. Que não deixemos o debate se encerrar, que seja apenas o início de estudos, dedicação e trabalho em cima da prevenção do abuso sexual infantil.

Priscila Oliveira da Cunha
Psicóloga Clínica
Texto baseado nas apresentações das palestrantes Psic. Elizabeth Mazeron
Machado, Psic. Tatiana Giron Cardon e Psiq. Patrícia Goldfeld.

Melanie Klein e conceitos de Inveja e Gratidão

Autora: Renata de Castro Schindel

Gratidão e inveja são sentimentos divergentes operantes desde o nascimento, tendo como primeiro objeto o seio. A inveja atua não apenas nas situações de privação, mas também na formação do caráter, de forma inconsciente. Pode atuar, inclusive, na reação terapêutica negativa, dando limite para o êxito analítico. Ela é uma expressão sádico-oral-anal de impulsos destrutivos.

A inveja se dá nas dificuldades do bebê em construir o objeto bom (significado da bondade materna, paciência e generosidade), pois se sente privado da gratificação do seio. É um sentimento raivoso para alguém que possui e desfruta de algo desejável, a qual incentiva ações do bebê para estragar esta coisa. Remonta a mais arcaica e exclusiva relação com a mãe (sem outros). Visa depositar maldade no objeto, excrementos maus, partes más do self com a finalidade de destruí-la. No sentido mais profundo, sua intenção é destruir a criatividade da mãe. É um aspecto destrutivo dentro da identificação projetiva. A inveja faz com que o bebê sofra ao ver que outra pessoa possui o que ele quer para si. O invejoso sente-se bem com o infortúnio dos outros. Qualquer esforço para satisfazê-lo é infrutífero.

Já o ciúme, diferentemente da inveja, presume uma relação com outra pessoa. É um sentimento de amor que lhe é devido e que foi tirado por um rival (gerando privação da pessoa amada). O ciúme teme perder o bom do objeto (veja que aqui existe a relação com o bom). Pode ser uma paixão nobre aguçada pelo medo ou ignóbil voracidade estimulada pelo medo.

Continue reading “Melanie Klein e conceitos de Inveja e Gratidão”

Estrutura Esquizofrênica de Jean Bergeret

Resenha Formação em Psicoterapia Psicanalítica
Primeiro semestre – 2018/1
Sabrina de Aguiar Fernandez

Resenha sobre a Estrutura Esquizofrênica de Jean Bergeret

Bergeret fala das estruturas fundamentais do indivíduo, iniciando pelas mais rudimentares até as mais evoluídas em relação ao desenvolvimento típico, pontuando as diferenças entre elas. Vou enfocar a linhagem estrutural psicótica e dentro dela, a estrutura esquizofrênica. Na estrutura psicótica há uma falência da organização narcísica primária dos primeiros instantes de vida. A criança não consegue diferenciar-se da mãe-sujeito, como objeto próprio; o ego jamais está completo.

Na minha prática clínica atendo alguns pacientes com diagnóstico de esquizofrenia e estes apresentam diferenças entre eles. O primeiro, por exemplo, é dependente da mãe, sai de casa, vende balas na rua mas não sabe contar o dinheiro, leva lixo pra dentro de casa, fala palavrões para os vizinhos. O segundo traz a tia e a mãe nas consultas, cuida dos remédios delas, é muito organizado quanto a isto.

Continue reading “Estrutura Esquizofrênica de Jean Bergeret”

O MANEJO DA INTERPRETAÇÃO DE SONHOS NA PSICANÁLISE

Artigo escrito por Patrícia Figueiredo De Souza Nunes
Curso de Formação Psicanalítica (Clínica Horizontes)
Professora: Lisandra Salles

Freud trata a questão da técnica e métodos da interpretação dos sonhos não como algo rígido e imutável, mas sim a maneira como o analista pode se utilizar da arte da interpretação, inquestionáveis formas de abordar o assunto, pode haver mais de um caminho bom, mas alguns maus o que leva a uma comparação para melhor esclarecer.

A clínica psicanalítica desperta o interesse no conteúdo dos sonhos trazidos pelos pacientes, mas não sendo somente algo linear, conteúdos que fazem sentido primeiramente como um primeiro relato podem ser atropelados por novos sonhos e assim ter que retomar o primeiro no meio de novos assuntos que apareceram. A importância do conhecimento da superfície da mente do paciente para o analista é primordial, pois em qualquer instante complexos e resistências se ativam e o comportamento consciente é o que o orientará. A interpretação que aparece em uma sessão deve ser compreendida como suficiente e não considerar prejuízo se não aparecer todo o conteúdo, deve ser respeitada a primeira coisa que vem à mente do paciente e assim ir trabalhando como aparece, com cuidado que a interpretação não seja para o paciente como algo que deva ter resolução por parte do analista e/ou que o paciente sinta a necessidade de ter ou trazer sonhos e assim gerando a interrupção destes.

Continue reading “O MANEJO DA INTERPRETAÇÃO DE SONHOS NA PSICANÁLISE”