As Patologias Atuais e a Técnica Psicanalítica

Artigo escrito pela Psicanalista Renata Viola Vives 

artigo psicanalise rentaAtualmente, costumamos nos questionar se vivemos uma nova era de patologias psíquicas, o que levaria a uma mudança clara da técnica ou se vivemos com novos coloridos e roupagens os mesmos conflitos das famosas histéricas freudianas.

No artigo “Sobre a clínica psicanalítica da atualidade: novos sintomas ou novas patologias? “ Aurea Lowenkron –  autora –  enfatiza que desde os seus primórdios, a psicanálise reconheceu a existência de terrenos  não marcados por inscrições codificadas, reconhecidos na formação dos sintomas das neuroses atuais.Neuroses desprovidas de atividade criadora, caracterizadas pela impossibilidade de efetuar a passagem da ordem da excitação sexual somática para o registro psíquico. Das falhas no processo de simbolização resultam sintomas que não são portadores de sentido. A magia das palavras não opera da mesma maneira nesses casos. A autora questiona-se: Há especificidades nas formas de sofrimento com que nos deparamos hoje? Ou as mudanças se referem às  manifestações sintomáticas?

Afirma que, para alguns autores o que observamos hoje, trata-se de novas apresentações sintomatológicas e de novas descrições  das  afecções pré-existentes,  exacerbadas pelas condições da vida contemporânea.

  • “Na era atual, cujos ideais são pautados por exigências da sociedade de consumo, que promove a ilusão de liberdade individual  irrestrita, o  mal estar assume muitas vezes formas de apatia, vazio interior, solidão e fracasso.” (p. 997)

O fato é que a psicanálise busca ver o indivíduo e, como  nos diz Freud,  na Conferência XVII, se existe um sentido para o sintoma,  e que este possui  uma conexão com a experiência do paciente , então não devemos nos preocupar com a (psico)patologia – sofrimento do indivíduo, ao invés de buscar uma categorização para os sintomas?