AUTISMO E FONOAUDIOLOGIA

Artigo escrito por Jacqueline Evaldt Constante /Fonoaudióloga CRFª/RS 8690

A intervenção fonoaudiológica é muito importante para as crianças com autismo, devido às grandes dificuldades comunicativas, especialmente no desenvolvimento da linguagem. O tratamento fonoaudiológico precoce contribui muito para amenizar os déficits nas habilidades comunicativas dos indivíduos que fazem parte do transtorno do espectro autista (TEA).

Os objetivos da intervenção fonoaudiológica variam muito; devem ser observadas as características de cada criança. Deve-se ter como objetivo geral o aumento da funcionalidade da comunicação, maior frequência de atos comunicativos intencionais (olhares, gestos); estimular a compreensão e a expressão verbal (vocalização e fala), proporcionando experiências comunicativas e auxiliando na inclusão escolar e na sociedade.

Cada criança responde de uma forma ao tratamento, algumas apresentam bons resultados logo nos primeiros meses de intervenção, outras, no entanto necessitam de um tempo maior de intervenção.

Eis que surge então uma das maiores angustias das famílias: – Meu filho vai falar?

A questão é delicada e deve ser cuidadosamente abordada por equipe interdisciplinar. A fala não é, nem deve ser a única forma de comunicação e expressão da criança, e todos os aspectos do desenvolvimento devem ser considerados (desenvolvimento psíquico, motor e cognitivo, por exemplo).

Hoje, estima-se que entre 20 e 30% de pessoas com autismo desenvolveram a linguagem verbal, quase sempre associada a intervenções e estímulos adequados às necessidades de cada criança.

É importante lembrar que a comunicação é fundamental para o ser humano, seja ela verbal ou não verbal, e proporcionar a criança com autismo um ambiente acolhedor, relacional e convocante é necessário para que possa emergir a intenção comunicativa.